09/08/2019

Ser PAI é … Praticar o Amor Incondicionalmente

Ser PAI é … Praticar o Amor Incondicionalmente

 Amor | Conheça os papais da TI onde seis dos oito funcionários já sentiram a emoção da paternidade

 

Pai, um significado ímpar, assim como o número de letras que compõem essa palavra tão pequena, mas de grandes proporções. Eles não carregam no ventre uma gravidez, como a genitora, mas sentem na alma e no coração o significado de uma gestação, ainda mais quando é projetada e aguardada com imensa ansiedade e amor. Neste mês de agosto, em que é comemorado o Dia dos Pais, o Jornal Dália em Notícias apresenta os papais mais ligados à tecnologia da Dália Alimentos, os funcionários do Setor Tecnologia da Informação (TI). Cem por centro masculinizada, a área conta com oito funcionários e, destes, seis são papais. Alguns de primeira viagem, outros com mais experiência em trocar fralda, dar mamadeira, colocar para dormir, acalmar o choro, levar ao médico, brincar até cansar, auxiliar nas lições de casa, levar para passear e desempenhar as verdadeiras funções de um pai. De um total de 2.180 funcionários que trabalham na Dália Alimentos, 22% são papais. Deste total de empregados, 1.291 (59%) são mulheres e 889 são homens (41%), sendo que 458 funcionários do sexo masculino têm filhos registrados, totalizando 36% do total de empregados homens.

 

RODRIGO | O “estreante” da turma com a Duda no colo

Com apenas 3 meses de vida, Eduarda, literalmente, é a “menina dos olhos” do papai Rodrigo Werner (42), supervisor do Setor de Tecnologia da Informação, graduado em Ciência da Computação e funcionário da Dália Alimentos há 18 anos. Eduarda era um sonho acalentando por Rodrigo e pela esposa Andrieta Anater Werner (32) há quatro anos. Apesar da gestação ter sido tranquila, os anos anteriores e os vários ensaios para engravidar foram de incertezas e receios.

Após várias tentativas e uma gestação em que Andrieta necessitou da aplicação diária de seringas para o controle da trombofilia, ela trabalhou até o último dia antes do nascimento da filha (Andrieta é engenheira ambiental e também funcionária da Dália Alimentos). Eduarda veio ao mundo na manhã de 4 de maio de 2019 e o papai coruja estava lá, acompanhando cada etapa do parto. “O nascimento foi a realização do maior sonho de nossas vidas, era o que faltava para completar a nossa felicidade. Ser pai é amar, educar, ensinar princípios e valores, é ter ainda mais comprometimento, responsabilidade e aprender que agora a única prioridade é ela”.

Rodrigo e Andrieta estão juntos há cinco anos e planejam ter o segundo filho em breve com o objetivo de os irmãos crescerem juntos. “Todos os dias, ao chegar em casa, converso com a Duda e ela sorri. O cheirinho dela é o melhor do mundo. Ser pai é ter a melhor sensação possível, é encontrar a felicidade em todos os lugares, todos os dias do ano”.

 

LEANDRO | Após oito anos, a Carolina

Leandro Cenci (39) e Karina Belotti Cenci (39) sempre sonharam em ser pais. Juntos há 19 anos, queriam alguém para amar e chamar de filho. Foram oito anos de incansáveis tentativas para gerir um bebê que, infelizmente, foram frustradas. Mas sem perder a fé e a esperança, o casal buscou suporte em uma Clínica de Fertilização e, após duas tentativas pelo método de fertilização in vitro, o maior sonho se concretizou. No dia 5 de novembro de 2018 veio ao mundo cheia de saúde e, entre choro e sorrisos, a pequena Carolina, hoje com oito meses.

Na Dália Alimentos há 17 anos, Leandro mora em Encantado e dedica sua vida à família, ao trabalho e ao hobby do ciclismo. Ser pai, para ele, “é ter alguém para cuidar e proteger, alguém que você ame mais do que a si mesmo, alguém pelo qual você faria tudo na vida sem titubear”.

Pai de primeira viagem, diz que a paternidade promoveu uma reviravolta positiva em sua vida. “Nossa prioridade, agora, é a Carolina e não temos mais muito tempo livre (risos). Ela demanda atenção em tempo integral. Mas isso se dilui a cada sorriso que ela nos dá, a cada carinho e, sem dúvida alguma, o momento mais marcante até hoje em minha vida foi o nascimento dela, um ser tão pequenino e indefeso vindo ao mundo de uma maneira tão aguardada, especial e emocionante”.

 

LUCIANO | Dor da perda, alegria da chegada

Vinícius, de 1 ano e 3 meses, é fruto do amor entre Luciano Almeida da Silva, (38) e Susiane Jora (37). O garotinho nasceu no dia 3 de abril de 2018, um dia antes do aniversário do papai, formado Técnico em Manutenção e Suporte em Informática e residente na cidade de Roca Sales. Na Dália Alimentos há quatro anos, Luciano diz que a chegada de Vinícius foi uma benção. “Esperamos anos por esse momento e quando consideramos a hora certa começamos as tentativas para a gestação. A primeira não deu certo, mas a segunda transcorreu dentro da normalidade. Acompanhei praticamente todas as consultas do pré-natal até chegar a hora do nascimento, quando o coração bateu mais forte. Um presente imensurável para o resto da minha vida”.

Ao falar do nascimento de Vinícius, Luciano define como um misto de sentimentos. “É a ansiedade pela chegada do bebê, a tensão para que nasça com saúde e a felicidade pelo momento, que é único. Quando o médico avisou que iria nascer e ouvi aquele chorinho, não consegui conter as lágrimas. Segurar no colo, acariciar o rostinho, pegar aquela mãozinha e sentir aquele cheirinho deixou meu coração explodindo de emoção”, recorda.

Luciano considera que o amor por um filho é inexplicável e se intensifica a cada dia. “Nossa vida muda e o sentimento de querer estar perto, a toda hora, para que não chore ao acordar na madrugada fria, ou quando está com dor, ou mesmo quando precisa receber uma vacina é constante. Ser pai é a melhor sensação do mundo”.

 

Já conhecia mesmo antes de nascer

Com um ano e nove meses de diferença de idade, Augusto (5) e Isadora (4) fazem a alegria do papai Gustavo Dal Molin (33). Casado com Lucilene (33) há nove anos, o casal planejou as duas gestações e, mesmo sendo desafiador, arriscaram ter o segundo filho com pouco intervalo do primeiro. “Quando eles nasceram, ao ter o primeiro contato e pegá-los no colo, entendi o que estava acontecendo. A emoção era gigante e o sentimento era de que nos conhecíamos mesmo antes deles nascerem, foi incrível”.

Gustavo é graduado em Ciência da Computação, reside em Muçum e há dez anos se desloca todos os dias para trabalhar na Dália. Para ele ser pai é amor, é amizade, é saber que existem dois “serezinhos” para dar carinho e serem acarinhados, acalmar e serem acalmados, amar e serem amados. “No nascimento do Augusto os medos eram diferentes, em conseguir cuidá-lo em virtude de tudo ser novo em nossas vidas. Quando a Isadora nasceu os receios eram diferentes, pois já estávamos acostumados, contudo, o medo maior estava em dar conta de criar dois filhos pequenos, com diferença de idade de apenas alguns meses”, recorda.

Ao ser pai, Gustavo ressalta que o tempo para afazeres antes praticados sozinho reduziu e que cada segundo é destinado aos filhos. “O tempo para si e para o casal fica restrito, as preocupações e as responsabilidades aumentam, mas as alegrias e as emoções são multiplicadas. O amor em ter uma família cresce e torna qualquer dificuldade em nada”.

 

Gustavo Z. | A árdua tarefa de educar Lucas e Luiza

Morador da cidade de Lajeado, Gustavo Zang (36) é pai de Lucas (7) e Luiza Emanuele (4). Formado em Análise e Desenvolvimento de Sistemas, trabalha nas Unidades de Lácteos em Palmas e no Bairro Aimoré, em Arroio do Meio, há cinco anos. Nenhuma das duas gestações foram planejadas e, segundo o pai, a gravidez de Lucas foi conturbada e com riscos de perda do bebê. “A mãe tomava remédio para pressão alta e não sabíamos como seria o parto. Mas graças a Deus o Lucas nasceu com 51 centímetros e cheio de saúde”.

Já Luiza passou por uma gestação tranquila, embora a mãe fazia uso ao anticoncepcional e ter engravidado da criança. Para Gustavo ser pai é doar-se todos os dias e viver para os filhos. “Sempre procuro ter momentos de lazer com eles, acompanhar seu crescimento e um dos momentos mais felizes foi quando eles me chamaram de pai pela primeira vez. Foi mágico”.

Gustavo é divorciado há dois anos e cuida dos dois filhos sozinho, com exceção dos finais de semana, quando as crianças permanecem com a mãe. Ele os leva à escola, ajuda na lição, os coloca para dormir e faz parte das brincadeiras entre pai e filhos. “Ser uma espécie de pai e mãe ao mesmo tempo não é uma tarefa fácil, mas quando fazemos por eles, todos esforço é pequeno diante da alegria que o Lucas e a Luiza me proporcionam”.

 

FRANKLIN |Augusto, gremistas como o pai

O mais experiente na “função” papai é Franklin Körbes (42) que no dia 20 de abril de 2011 sentiu uma de suas maiores emoções com o nascimento de Augusto (8). Franklin é graduado em Ciência da Computação e trabalha da Dália Alimentos desde 2015. Todos os dias se desloca de Arroio do Meio, onde reside, para cumprir sua jornada de trabalho.

Quando Augusto tinha apenas 5 anos, Franklin se divorciou e hoje mantém uma relação saudável com a mãe do filho, dispondo de guarda compartilhada. Quando está com o filho procura discipliná-lo e também promover momentos de alegria e descontração. Gremistas de coração, pai e filho assistem aos jogos do clube, vão ao estádio e aproveitam a companhia um do outro para jogar bola, ir à piscina, passear e também se dedicar aos estudos.

Para Franklin, ser pai é a base para o desenvolvimento de um filho e após a paternidade as prioridades e a forma de ver a vida têm outro sentido. “O maior desafio de um pai é ser o melhor exemplo aos olhos do filho. Todos os momentos ao lado dele são especiais. Durante estes oito anos muitas vezes me peguei pensando em querer que ele permanecesse sempre nessa idade, mas todas as fases são maravilhosas. Quero estar presente em seu crescimento, participar de suas descobertas e vê-lo superar seus desafios. Todo momento ao lado do Augusto, a pessoa que mais amo nesta vida, é especial”.

 

Legenda: Rodrigo com a pequena Eduarda no colo

Legenda: Leandro e a sorridente Carolina

Legenda: Vinícius nos braços do papai Luciano

Legenda: Dal Molin

Legenda: Zang

Legenda: Gremistas de coração, Franklin e Augusto compartilham pelo mesmo gosto pelo futebol

Foto: Divulgação

 

Assessoria de Imprensa Dália Alimentos

Jornalista Carina Marques